segunda-feira, 30 de outubro de 2017

The Who e Paul Mccartney - ao vivo em Porto Alegre, 2017

2017 está chegando ao fim. Foi um daqueles anos em que, dos shows que vieram a Porto Alegre, poucos me chamaram a atenção. Ainda faltam os meses de novembro e dezembro mas, para mim os shows do ano na cidade já acabaram. Dois baita shows, muito bem acompanhado. Te amo meu amor, Luciane!
Vimos o suficiente.
Assistimos shows de dois ícones da História do rock. Passaram por estas paragens ninguém menos que o The Who e, pela segunda vez, Sir Paul Mccartney.

A formação atual do Who conta com dois remanescentes - Roger Daltrey e Pete Townshend - acompanhados por músicos muito competentes - e, além de outros músicos, o baterista é Zak Starkey, filho de ninguém menos que Ringo Starr.

O show em Porto Alegre teve a abertura do Def Leppard que mostrou a que veio para seu público fiel. O Def Leppard fez um show competente mostrando um clássico atrás do outro e deixando evidente sua força no palco. Um belo show de aquecimento para a atração principal.

Em seguida, chega o Who e despeja para a platéia seus clássicos, começando por I can't explain passando por The Seeker, com direito a uma piada sobre a autoria de Behind Blue eyes ("Esta música eu que fiz.")

A platéia enlouqueceu, curtindo cada clássico e saímos de lá muito satisfeitos com o show épico que assistimos por 2 horas. A única ressalva a ser feita é que quando cheguei no Beira-Rio não haviam mais camisetas do The Who à venda. Já do Def Leppard...tinha pilhas.

O show do Who foi de tamanha excelência que até a produção da banda fez um texto elogiando todo o evento no site oficial da banda.

Se eles elogiaram...que sou eu para criticar???

Algumas semanas depois assistimos Sir Paul Mccartney e outro desfile de clássicos por quase 3h de show. A turnê brasileira começou por Porto Alegre e vimos/ouvimos músicas que foram a trilha sonora de nossas adolescências, de nossas vidas. Can't buy me love, Jet , Maybe I'm Amazed e claro que não podia faltar a emocionante Hey Jude.

Estes foram dois shows que ficaram na retina de quem estava lá.

Agora, é aguardar 2018. Os boatos... são bons... vamos aguardar a confirmação.
Até lá,
Long Live Rock and Roll

Ulisses B. dos Santos
@prof_colorado

terça-feira, 29 de novembro de 2016

Black Sabbath em Porto Alegre - 28/11/2016

Meus amigos e amigas rockers!
Ontem vivemos um momento histórico e épico. Ontem assistimos ao último capítulo de uma das maiores bandas da História do Rock. O Black Sabbath com sua última formação esteve em Porto Alegre e presenciamos uma tarde de homenagem aos criadores do Heavy Metal.
Ozzy Osbourne, Geezer Butler, Tony Iommi e Tommy Cufletos presentearam a platéia com clássicos que fizeram a história da banda. Músicas como "Black Sabbath", "Iron Man", "Paranoid", "N.I.B", "Fairies wear boots" foram relembradas em um show de pouco mais de uma hora e meia.

Depois de ver a banda em 1992, com Dio e Vinnie Apice, e mais recentemente com esta mesma em 2013, tivemos o privilégio de revê-los nesta tour de despedida. E, cá entre nós, nada mais apropriado que a banda tenha resolvido fazer desta sua tournê de adeus. É visível que o tempo está cobrando seu preço. É bem verdade que para alguns ali, as cobranças são mais amenas, porém para o Ozzy está, desculpem-me a redundância, adquirindo um peso quase insuportável. Em alguns momentos, tive a impressão de estar vendo o Ozzy do reality show "The Osbornes" que se arrastava em frente as câmeras.

 Geezer Butler e seu contrabaixo competente pareciam um chicote. Seu solo para introdução de "N.I.B." foi memorável.
 Tommy Cufletos com a agressividade com que atacava seu kit atirava a platéia pra trás.  Sua bateria de dois bumbos faz com que tenhamos a impressão de estar ouvindo vários bateristas e não apenas um.

Tony Iommi, que na matéria a respeito do show de 2013 eu chamei de "Sr. de todos os riffs" mostrou que, assim como Geezer Butler, tem muito mais lenha para queimar. Parece que o formol faz bem.









Ozzy Osbourne, frontman, vocalista, carismático, parece ser o que mais sente o peso da idade, pois em alguns momentos parecia cansado. Ficaremos com o bom e velho Ozzy de sempre na nossa memória, um cara capaz de movimentar e agitar a platéia. Quem não se arrepia com a risadinha depois da frase "Satan sitting here, he's smilling" ???

Ver e rever o Sabbath todas estas vezes me faz pensar apenas que fui um baita privilegiado. Pude assistir a banda em vários momentos e com dois de seus principais vocalistas: Dio e Ozzy.


Vida longa ao Rock'n'Roll!!

Nos vemos no próximo show.

Ulisses B. dos Santos.

terça-feira, 22 de novembro de 2016

DIA 28 DE NOVEMBRO ESTÁ CHEGANDO...

Meus caros rockers!!!
Estamos próximos de um dos maiores momentos da História do Rock e da nossa própria história. No próximo dia 28 veremos em ação pela última vez em terras gaúchas a maior banda de Heavy Metal de todos os tempos:





Em 1992, o Sabbath vinha pela primeira vez em Porto Alegre. Naquela oportunidade além de Tony Iommi e Geezer Butler completavam a banda Ronnie James Dio e Vinnie Apice. No show, revisitaram todo o disco "Live Evil",que completava 10 anos, com canções do recém lançado "Dehumanizer" com destaque para o petardo "Computer God". Costumo dizer aos que me perguntam sobre este show que parecia o meu aniversário: todos os meus amigos estavam lá. Para onde eu olhasse, eu achava um amigo...Satisfação total!



A banda retornaria à Porto Alegre em 2013, com a atual formação para deleite de seus milhares de fãs. De novidade, o exímio baterista Tommy Clufetos.


 É isso ai meus caros e caras...peguem suas coleções do Sabbath e ouçam no volume 11 para entrarem no clima deste grande evento que se aproxima.